19 de mar de 2011

GOVERNO INCENTIVA CRIMINALIDADE NO BRASIL!!

Auxílio-reclusão-Apartir de 01/01/2011-R$ 862,11
Bandido com 5 filhos R$ 4.312,75   além de comandar o crime de dentro das prisões,comer e beber nas costas de quem trabalha e/ou paga impostos. 

Qual pai de família com 5 filhos recebe um salário suado  igual ? ou mesmo um aposentado que trabalhou e contribuiu a vida inteira e ainda tem que se submeter ao fator previdenciário?
Mesmo que seja um auxílio temporário, prisão não é colônia de férias. Isto é um incentivo a criminalidade. Que politicos e que governo é esse?????


1. Vale a pena estudar e ter uma profissão?
2. Trabalhar 30 dias para receber salário mínimo de R$545,00, fazer
malabarismo com orçamento pra manter a família?
3. Viver endividado com prestações da TV, do celular ou do carro que você
não pode ostentar pra não ser assaltado?
4. Viver recluso atrás das grades de sua casa?
5. Por acaso os filhos do sujeito que foi morto pelo coitadinho que está
preso, recebe uma bolsa de R$  862,11  para seu sustento?
6. Já viu algum defensor dos direitos humanos defendendo esta bolsa pa ra os filhos das vítimas?
 
Auxílio-reclusão
O auxílio-reclusão é um benefício devido aos dependentes  do segurado recolhido à prisão, durante o período em que estiver preso sob regime fechado ou semi-aberto. Não cabe concessão de auxílio-reclusão aos dependentes do segurado que estiver em livramento condicional ou cumprindo pena em regime aberto.
 Não acredita?

 Confira no site da Previdência Social -clicando aqui

 O pagodeiro Belo e Gracyanne Barbosa que cumpria pena em regime semi aberto por associação ao tráfico de drogas - foi liberado para fazer um show na Fórmula do Gol, na Barra da Tijuca, enquanto estava preso, tinha um filho menor e o direito ao auxilio pensão. Hoje, esse filho tem 18 anos, e em 2009 já havia engravidado uma moça e dado o primeiro netinho ao pagodeiro, recentemente engraviou outra e Belo aos 36 anos será avô pela 2a.vez, e a julgar a velocidade em breve poderá ter 4,5,6...

9 de mar de 2011

Dilma herdou conta de R$ 128 bi -Herança Maldita é 25x a de FHC!!

É surprendente, mas não tão impressionante pra quem já  imaginava que havia manipulação nas contas do governo Lula, como já haviamos postado no final do ano e tambem divulgado pela revista veja que as
contas do governo não fechavam. Assim como a transformação da dívida externa em dívida interna com
o pagamento dos maiores juros da história.Agora verifica-se que as despesas correntes são lançadas
para pagamento no futuro, como assim ? Pode , ah , no governo da casa do lula, aonde tinha a ministra Dilma ,agora, Presidenta , tudo podia para conseguir votos.

Veja a matéria de capa do Jornal do Comércio do RGS de hoje:

Dilma herdou conta no valor de R$ 128 bi



Restos a pagar de 2010 não constam do orçamento e exercem pressão sobre o caixa

A presidente Dilma Rousseff herdou um problema fiscal mais sério do que o desequilíbrio que forçou o governo a cortar R$ 50,1 bilhões nas despesas programadas para este ano. A causa seria a maquiagem das contas de 2010, numa estratégia que vem sendo repetida desde 2003. O alerta é do economista Mansueto Almeida, pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea).
A suspeita surgiu porque o bolo de despesas iniciadas em 2010 cujo pagamento ficou para este ano, os chamados restos a pagar, foi muito grande: R$ 128,8 bilhões. Esse valor não aparece no orçamento. Ou seja, o corte não o afetou, e ele continua exercendo pressão sobre o caixa. “O governo tem um problema com sua gestão fiscal ainda maior do que aquele que aparece nas análises do orçamento aprovado”, diz Almeida na nota técnica Restos a Pagar e Artifícios Contábeis.
O secretário do Tesouro, Arno Augustin, informou que só pretende quitar R$ 41,1 bilhões em atrasados em 2011. As demais despesas, muitas ainda em fase inicial de contratação, deverão ser canceladas. A possibilidade de “calote” nos restos a pagar acendeu sinais de alerta no Congresso, pois a maior parte deles se refere a emendas de parlamentares ao orçamento de 2010.
Desde 2006, o volume de restos a pagar vem crescendo continuamente. Ao mesmo tempo, o montante em pagamentos de atrasados que ocorre no ano seguinte também cresceu. Para Almeida, isso sugere a existência de uma espécie de orçamento paralelo, o dos atrasados. “Isso permite ao governo mostrar que está sendo feito um esforço maior de contenção de despesas, quando o que de fato ocorreu foi a postergação de pagamentos”, comentou.
Além da maquiagem, outra razão para essa prática seria o Executivo obter maior liberdade para escolher onde alocar os recursos disponíveis: se para pagar os restos ou para executar o orçamento do ano. Neste ano, por exemplo, Dilma tem R$ 48,3 bilhões em restos a pagar. Esse volume é o mesmo do que foi investido no ano passado inteiro.
“Se você me perguntar se eu tenho certeza de que há maquiagem, ou vou dizer que não. Mas tenho desconfiança, porque o saldo só cresce e a execução (pagamento) de restos a pagar também”, disse o economista. Em 2004, a quitação de restos a pagar foi de R$ 5,67 bilhões. Em 2010, atingiu R$ 44,18 bilhões.
O resultado das contas do governo central em janeiro explicitou o truque. As despesas deram um salto de 24% em comparação com o mesmo mês no ano passado, enquanto em dezembro a taxa de incremento havia sido bem menor: 4,6%. Assim, os números indicam que o governo segurou despesas em dezembro e recuperou o atraso em janeiro.
Pelos cálculos do economista-chefe da corretora Convenção, Fernando Montero, a quitação de atrasados em janeiro pode ter sido da ordem de R$ 5 bilhões.
Além de adiar pagamentos, o governo ainda recorreu a manobras contábeis para melhorar o resultado de 2010, como o aumento das receitas em R$ 31,9 bilhões decorrente da capitalização da Petrobras. Ainda assim, o setor público fechou suas contas de 2010 com um resultado equivalente a 2,78% do PIB, quando a meta era 3,1% do PIB .
A prática de empurrar despesas para o futuro e assim melhorar o resultado fiscal de um ano vem sendo utilizada desde 2003, quando o então ministro da Fazenda, Antonio Palocci, ganhou prestígio e credibilidade do mercado financeiro ao anunciar a elevação da meta do superávit primário (economia de recursos públicos para pagamento da dívida pública) de 3,75% do Produto Interno Bruto (PIB) para 4,25% do PIB.


Vc pode acessar o link aqui