28 de jul de 2011

A ausência de liderança no Ocidente é assustador e familiar !(The Economist)

ev
Dívida e políticas na América e Europa




 Lideres como Obama e Merkel deveriam olhar e  aprender com a última crise  do Japão.





A credibilidade do governo se baseia em seu compromisso de honrar suas dívidas. Como resultado dos dramas ultimas semanas, essa mercadoria  crucial está diminuindo  no Ocidente. O esforço na Europa para manter a Grécia na zona do euro e do malabarismo político nos Estados Unidos sobre o teto da dívida  apresentaram aos investidores uma opção pouco atraente: comprar a moeda sem garantiva ou comprar a que  poderia se desintegrar?

Nos primeiros dias da crise econômica os líderes do Ocidente fizeram um trabalho razoável de esclarecer uma confusão que foi apenas parcialmente de suas decisões. Agora os políticos tornaram-se o problema. Na  América e  na  Europa, eles estão apresentando o tipo de comportamento que podem transformar uma recessão em estagnação. Os líderes do Ocidente não estão dispostos a fazer escolhas difíceis, e todos (os mercados, os líderes do mundo emergente, os bancos, mesmo os eleitores) sabem disso. É uma marca de como as expectativas diminuiram que o resgate parcial da Grécia na Zona Euro em 21 de julho  foi recebida com alívio. Até o momento da impressão desta edição do The Economist ,ainda não estava claro em que termos o limite da dívida dos Estados Unidos seria aumentado, e por quanto tempo. Mesmo que a  crises atuais  diminuam ou sejam evitadas, o verdadeiro perigo real persiste: que o sistema político do Ocidente não possa tomar as difíceis decisões necessárias para se recuperar de uma crise e prosperar nos próximos anos.

O mundo já viu isso antes. Duas décadas atrás, bolha econômica japonesa estourou, e desde então os seus líderes têm procrastinado e se posicionado.  Os anos de paralisia política do Japão podem ter feito mais mal do que os excessos ecônomicos dos anos 1980. A sua economia praticamente não cresceu e sua influência regional diminui. Como proporção do PIB, a dívida pública bruta é o mais alto do mundo, duas vezes a da América e quase o dobro da Itália. Se algo semelhante acontecesse com suas democracias  Europa e América, as conseqüências seriam muito maiores.Não é de se espantar que os autocratas da China  , cheios de dinheiro e uma reputação (apenas parcialmente merecida) de resolver  as coisas, sintam como se o futuro estivesse do seu lado.

Embora ambos sobre a dívida, os argumentos na Europa e América têm origens muito diferentes. A crise do euro foi provocada por investidores com preocupações genuínas sobre a solvência de várias países da zona euro. Em contraste, o impasse em Washington é uma criação política, imposta a investidores inicialmente incrédulo . Aumentando a dívida a descoberto a América está além  $14.3 trillion dolar deveria ter sido relativamente simples, mas os congressistas republicanos, furiosos com o tamanho do  governo,  imprudente usou-o como um instrumento político para embaraçar Barack Obama.

A semelhança entre os dramas europeus e americanos reside na recusa dos protagonistas ao enfrentar a realidade. Políticos europeus, liderados por Angela Merkel, ter ido a extremos para evitar admitir duas verdades: que a Grécia é faliu, e que os europeus do norte (e os alemães da parcimoniosa Angela Merkel, em particular) vai acabar pé de uma boa parte do projeto de lei, seja por transferência de dinheiro para o sul ou o salvamento dos seus próprios bancos. Eles falharam para empreender uma reestruturação séria: o pacote de resgate atual reduz a dívida da Grécia, mas não o suficiente para dar-lhe uma verdadeira oportunidade de recuperação .Como resultado, a Grécia, e talvez outros países europeus periféricos também, vai precisar de outro salvamento no limite  mais cedo ou mais tarde. Assim como no Japão, os políticos não conseguiram fazer a mão-de-estruturais e de mercado do produto reformas essenciais para estimular o crescimento. Se este negócio vai gerar uma união fiscal na Europa, ele pode muito bem, não será por causa de Angela Merkel e seus colegas tomaram uma decisão corajosa, e criaram uma estratégica e transparente , mas porque fugiu de formas que causam mais dor imediamente..

Debate da dívida da América parece ainda mais o adoravel kabuki -. O seu problema fiscal não é agora que deve ser gasto para aumentar a recuperação, mas a médio prazo. Seu sistema tributário absurdamente complicado aumenta muito pouco, eo envelhecimento da sua baby-boomers vai empurrar seus programas vasta direito à falência. Obama criou uma comissão para examinar este assunto e, até recentemente, ignorou completamente as suas conclusões sensatas. O presidente também preso muito tempo para a ficção de que o déficit pode ser conectado ao tributar mais os ricos: ele mesmo perdeu parte de uma rede nacional esta semana atacando os ricos, embora os democratas já haviam retirado propostas para tais aumentos.

No entanto, Obama e seu partido parecem um modelo de estadista fiscal em comparação com seus adversários republicanos. Era uma vez a direita americana levou o mundo quando veio para o governo repensar, agora é um pigmeu intelectual. Os republicanos da Câmara não poderia mesmo começar somas seu orçamento direita, de modo que o voto tinha que ser adiada. Um desejo para conter Leviathan é admirável, mas o chá-partiers viver em um mundo de fantasia em que o déficit pode ser reduzido, sem qualquer aumento de impostos: mesmo de Obama tenta remover brechas no código fiscal da unidade os fanáticos em paroxismos de indignação.

Na Europa e América do eleitorado parecem estar se voltando para dentro. Existe a mesma divisão entre "ins" e "outs" que tem atormentado o Japão. Na Europa, um conjunto de trabalhadores da classe média está desesperado para pendurar sobre a proteção e privilégios: milhões de pessoas estão presas em empregos temporários desprotegida ou estão desempregados. Na Europa e na América bem conectado sindicatos do setor público obstruem o progresso. E depois há a maior divisão (e também o menos sustentável) de tudo: entre o velho, agarrando-se firmemente aos direitos que alegam ter ganho, e os jovens que, de alguma forma tem que pagar por tudo isso.

Às vezes, as crises geram liderança corajosa. Não, infelizmente, agora. O Japão tem sido quase sempre liderado por uma série de fracos consenso de asilo. Para todos os seus talentos, tanto o senhor Obama e Merkel são melhores do que seguir a opinião pública levando-a.

O problema não está apenas nas personalidades envolvidas, mas também nas estruturas políticas. Política disfuncional do Japão foram enraizadas em seu sistema de partido único: o partidarismo mesquinho sobreviveu retumbante derrota o Partido Liberal Democrata em 2009 eo recente tsunami (ver artigo ). No Congresso dos EUA os democratas moderados de centro-conservadores e liberais republicanos, entrou em colapso, em parte porque tem redistritamento partidária entregou o poder aos extremos. Na Europa, os políticos nacionais, responsáveis ​​perante seus eleitores própria, estão lutando para enfrentar problemas em todo o continente.

Autocratas não precisam zombar dos problemas das democracias ocidentais. Os problemas que o cara esta se imposto de qualquer governo e, como a crise financeira asiática há uma década mostrou, ditaduras são freqüentemente piores à distribuição de dor. Além disso, a política ocidental é menos quebradas do que muitos alegam. Desde 2009 o Congresso aprovou um estímulo enorme eo projeto de lei de cuidados de saúde, tanto controverso mas também evidências de que o legislador pode fazer as coisas. Para todas as suas tolices insignificantes, os republicanos estão trazendo questões como reforma tributária e os direitos para o debate nacional. Fora da zona do euro na Grã-Bretanha, e nas repúblicas bálticas, por exemplo, os políticos têm implementado reformas e programas de austeridade com velocidade admirável.

Nossas opiniões sobre o que o Ocidente deve fazer a vontade de ser dolorosamente familiar para os leitores. Políticos europeus precisam implementar não apenas uma séria reestruturação das dívidas dos países periféricos, mas também uma reforma séria de suas economias, para limpar a corrupção o nepotismo, e todas as ineficiências que segurar o seu crescimento. Democratas dos Estados Unidos precisam aceitar cortes direito e republicanos impostos mais altos. Comissões independentes devem estabelecer limites eleitorais. E assim por diante.

Políticos do Japão teve chances muitos a mudar de rumo, e quanto mais tempo eles evitaram fazê-lo, mais difícil se tornou. Seus pares no Ocidente deveriam prestar atenção que o exemplo.

22 de jul de 2011

A Injustiça com a Classe Média Brasileira !

O governo ajuda os pobres por meio de benefícios e os ricos por meio de empréstimos subsidiados para suas empresas, juros aos banqueiros, ”“Isso inunda a economia com dinheiro, levando à inflação, a qual o Banco Central tenta então combater com aumentos de juros, penalizando a classe média”,
O diário econômico britânico Financial Times, publicou esta esta semana, na verdade, o sofrimento que a “tradicional CLASSE MÉDIA , SOFRE com aumento de preços e infraestrutura congestionada. A renda dos 50% mais pobres cresceu 68% em termos reais nos últimos dez anos, enquanto os 10% mais ricos viram sua renda crescer 10% no período. a renda média dos analfabetos brasileiros cresceu 37% entre 2003 e 2009, enquanto aqueles com estudo universitário tiveram uma PERDA de 17% na renda no mesmo período.
O Governo tem investido mais na classe pobre ora classe média emergente sempre o objetivo eleitoral, todavia o sistema adotando imputando o peso as custas a tradicional classe média é justo ?
Neste link vc encontra a matéria do Financial Times : http://www.ft.com/intl/cms/s/0/6745ef9a-b1e9-11e0-a06c-00144feabdc0.html#axzz1SiPXWI9d
Neste Link vc encontra a matéria comentada pelo BBC Brasil
http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2011/07/110721_classes_medias_financial_times_rw.shtml

17 de jul de 2011

EUA: Cortar com a dívida e o futuro...... (The Economist)






Eu Voto Distrital


O voto distrital dá mais poder ao cidadão.

O poder para realizar as mudanças que deseja ver em sua comunidade.
O voto distrital é a reforma política que interessa.

Precisamos estabelecer uma nova dinâmica política entre representantes e representados no Brasil. O Voto Distrital corrige deficiências do sistema eleitoral atual e traz uma nova dinâmica de relacionamento entre eleitos e eleitores.

Como é hoje?

Hoje, os representantes do povo no Legislativo (deputados federais, deputados estaduais e vereadores) são eleitos pelo voto proporcional, isto é, os partidos políticos ganham cadeiras em proporção ao número de votos que seus candidatos recebem em todo o Estado (ou cidade). Quanto mais candidatos, mais votos. Um mês após a eleição, 70% dos eleitores já não se lembra em quem votou, pois vota sem conhecer bem os candidatos. Uma vez eleitos, os representantes também não se lembram dos eleitores e agem no Legislativo sem prestar contas a eles.

O Voto Distrital

O voto distrital é um sistema de voto majoritário no qual um Estado (ou cidade) é dividido em pequenos distritos com aproximadamente o mesmo número de habitantes. Cada partido indica um único candidato por distrito. Cada distrito elege um único representante pela maioria dos votos.
Que tipo de Voto Distrital o Movimento defende? Puro ou Misto? O movimento #euvotodistrital defende o sistema majoritário de dois turnos. Essa modalidade, além de trazer todos os benefícios do Distrital como conhecemos, preserva os interesses das minorias ao exigir segundo turno, caso o candidato não tenha 50%+1 dos votos.

O que muda?

Aumenta a fiscalização sobre os políticos; diminui o custo das campanhas políticas; estimula a redução de partidos; aumenta o enraizamento dos partidos na sociedade; fortalece o Poder Legislativo; traz nova dinâmica de Governabilidade; melhora a relação representante / representado; mais representantes que convivem com a população no dia-a-dia serão eleitos.

Mais de 20.000 pessoas já assinaram,apoiam o Movimento a favor do Voto Distrital. Participe! 


Assine para chegarmos em 100.000!




------------------------------------------------------------------------------------------
-Artigo Revista Veja  26.03.2011 
Voto Distrital, já!
Luiz Felipe D’Ávila
Nos últimos vinte anos, a reforma política esteve várias vezes na pauta do Congresso, mas ela nunca conseguiu percorrer o longo e sinuoso caminho das comissões parlamentares e do plenário até se tornar lei. O motivo é simples. Os deputados temem que a alteração das regras do sistema eleitoral possa afetar as chances de eles se reelegerem. A única maneira de fazer a reforma política avançar no Congresso é por meio da mobilização da opinião pública e da pressão da sociedade. O desafio de levar o tema para as ruas e engajar as pessoas na luta pela reforma política exigirá respostas claras e objetivas a três questões fundamentais:

1) Como o sistema eleitoral afeta a vida das pessoas?
2) Por que a reforma política é um tema tão importante para o país?
3) O que devemos fazer para mobilizar a sociedade?

O sistema eleitoral afeta dramaticamente a relação das pessoas com a política. O voto proporcional e as regras das coligações partidárias produzem um Parlamento distante dos interesses da sociedade. A eleição para deputado transformou-se numa caçada de votos pelo estado. A capacidade de o candidato conquistar recursos financeiros, extrair benefícios das coligações do seu partido e contar com o apoio dos “puxadores de voto” e da máquina partidária é infinitamente mais importante do que o mérito e o desempenho pessoal da sua atuação no Parlamento. E o que isso tem a ver com a vida cotidiana das pessoas? Tem tudo a ver. Deputados “genéricos” vagam pelo universo político e aproveitam a falta de fiscalização e de cobrança dos eleitores para propor projetos “populares” que consistem fundamentalmente em aumentar de modo irresponsável o gasto público e pressionar o setor produtivo com aumento de impostos e taxas que consomem quase 40% do PIB.

A atuação do deputado “genérico” é agravada pelas distorções do voto proporcional. Um estudo publicado por Persson e Tebellini revela como o sistema eleitoral impacta as contas públicas. Países que adotam o voto proporcional têm gastos públicos mais elevados, despesas maiores com a previdência social e um déficit público maior que os dos países que adotam o voto majoritário.
Voto majoritárioVoto proporcional
Gastos do governo26%35%
Previdência5,5%13%
Déficit2,9%3,9%
Deve-se debitar grande parte do descrédito do Parlamento ao sistema eleitoral. Suas regras contribuem para distorcer o desejo da maioria do eleitorado, distanciar o eleitor dos seus representantes e enfraquecer o Poder Legislativo. O Congresso, as assembleias estaduais e as câmaras de vereadores costumam ser citados como as instituições menos confiáveis do país. Não é por outra razão que 70% dos eleitores não recordam em quem votaram para deputado na última eleição. Essa amnésia é péssima para a nossa democracia.

A reforma política tem de ser tratada como prioridade nacional. A existência da democracia depende da credibilidade das suas instituições. O voto proporcional contribuiu para distorcer o conceito de equilíbrio constitucional entre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário – um dos preceitos essenciais do bom funcionamento do sistema presidencialista. Ao produzir um Parlamento fragmentado em dezenas de partidos, o Legislativo sucumbiu à pressão do Poder Executivo. A hipertrofia do Executivo reforça a ideia do personalismo político e minimiza a importância das instituições. Cria-se a falsa percepção de que as soluções para dificuldades e problemas não são obtidas por meio das instituições, mas por meio da propina, da troca de favores e de contatos pessoais com pessoas ligadas ao governo.

Instituições fracas colaboram para a proliferação da corrupção. Elas corroem a confiança nos poderes constitucionais, a continuidade das políticas públicas e a previsibilidade das ações governamentais. A indústria da propina, a troca de favores e o contorcionismo legal e ilegal para superar dificuldades, obter vantagens ou livrar-se das amarras burocráticas distorcem as regras de mercado, afetam os investimentos e levam a sociedade a perder a confiança nas instituições. Um sistema eleitoral que contribui para a ineficiência do gasto público, sequestra quase metade da renda nacional por meio de impostos e produz um Parlamento que conta com a indiferença e o menosprezo da população precisa ser urgentemente reformado.

A mobilização popular é essencial para conter a discussão das falsas reformas no Parlamento. Há duas formas clássicas empregadas pelos parlamentares para fugir de assuntos polêmicos. A primeira é criar uma comissão parlamentar e preenchê-la com membros que não se interessam em mudar as regras do jogo. A segunda é apresentar propostas para alimentar a discussão no Parlamento e na imprensa e esperar que o tema esfrie e saia da pauta política. Trata-se da famosa introdução do “bode” na sala para depois retirá-lo. Os dois “bodes” da reforma política são o “distritão” e o “voto em legenda”. Ambas evitam discutir o tema que tira o sono dos deputados: aumentar a cobrança e a fiscalização do eleitor.

- No “distritão”, vencem o pleito os deputados mais votados no estado. Acaba-se com o voto proporcional, mas se preserva o deputado “genérico”: aquele que diz representar todos os eleitores do estado, mas não representa ninguém, a não ser os interesses dos financiadores de campanha e os seus próprios. O “distritão” vai colaborar para a proliferação de deputados Tiriricas.

- No caso do “voto em legenda”, o eleitor perde o direito de escolher pelo voto direto o seu deputado. Vota-se na legenda, e o partido escolhe o deputado: uma maneira criativa de garantir a eleição de deputados mensaleiros que não seriam eleitos pelo voto distrital.

A mobilização das pessoas em torno da reforma política poderá ser mais rápida se os ganhos e os benefícios do voto distrital forem facilmente compreendidos. No voto distrital, ganha a eleição o deputado mais votado no seu bairro, distrito ou região. É a “diretas já” para o deputado do bairro. O voto distrital vai acabar com a gincana eleitoral que transformou a campanha para deputado numa das mais caras do mundo. Em vez de percorrer o estado à caça de votos, o candidato terá de disputar votos numa única região. Além de reduzir dramaticamente o custo da campanha, o eleitor saberá quem é o parlamentar que representa o seu distrito no Parlamento, onde ele mora, o que ele pensa e o que faz pela sua região. Aproximar o eleitor do seu deputado e permitir que ele possa ser cobrado, fiscalizado e avaliado de acordo com o seu desempenho no Parlamento representa um enorme avanço para o resgate da credibilidade de um poder desprestigiado. Deputados não podem ser representantes “genéricos” dos eleitores. Eles devem representar os interesses da comunidade, distrito ou região que os elegeu. Bons parlamentares querem ser cobrados e fiscalizados para que possam ser reeleitos por causa dos seus feitos, ideias e projetos.
A reforma política que importa para o país tem de atingir dois objetivos: aproximar o eleitor do seu representante e fortalecer o Poder Legislativo. Somente o voto distrital é capaz disso.

 

 

Como aumentar o peso do seu voto

O voto distrital aproxima o eleitor do seu representante no Congresso, melhora a fiscalização sobre os deputados e diminuir a corrupção




Ilustracao-brasil-como-aumentar-peso-voto-ed-2233-size-598
O modelo brasileiro de votação para a Câmara dos Deputados faz duas vítimas a cada pleito: a lógica e o eleitor. A lógica, porque regras obtusas permitem, por exemplo, que votos dados a um candidato sejam usados para eleger outro. O eleitor, porque a ineficiência do processo faz com que, semanas depois de ir às urnas, ele mal se lembre de em quem votou.
A fim de corrigir essas distorções, um grupo de empresários e estudantes de São Paulo está propondo a adoção do voto distrital no Brasil. O modelo parte da divisão do país em distritos (no caso do Brasil, 513 – o mesmo número de cadeiras na Câmara), que elegeriam, cada um, o seu representante.
Os organizadores do movimento “Eu voto distrital” prepararam uma série de simulações sobre como seria o Brasil sob esse novo modelo. Uma delas revela que, se o sistema já estivesse em vigor em 2010, o partido que mais perderia com ele seria o PT – o que explica o fato de a sigla ser, desde já, inimiga número 1 da proposta.
A edição de VEJA que chega às bancas neste sábado traz dez motivos pelos quais essa ideia merece o seu apoio. Entre eles estão o barateamento das campanhas, o fim do efeito Tiririca, o enfraquecimento das oligarquias e a diminuição da corrupção. Se ao final da reportagem você também ficar convencido de que o distrital é a melhor opção para o país, basta clicar aqui para assinar a petição que será enviada aos parlamentares em Brasília, propondo a mudança.